Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

fix_conexao-jovem
No comando: Conexão Jovem

Das 11:00 às 12:00

21433221_1160179574117051_6621931202814648696_n
No comando: Balada Sertaneja

Das 18:00 às 20:00

19260740_1100315043436838_6233774128744500953_n
No comando: Clube Hits Retro

Das 22:00 às 00:00

NOVA LEI DE TRÂNSITO MANDA MOTORISTA BÊBADO PRA CADEIA

Compartilhe:
f63e467f156caf1ea8b29fc88ee8dd10

Lei foi sancionada e passa a valer pra todo o Brasil

Nova lei, que entra em vigor nesta quinta-feira, 19, aumenta as penas para condutor de veículo que causar grave acidente sob efeito de álcool ou entorpecente. A alteração no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) acaba com a fiança para os condutores que provocarem homicídio culposo ou lesão corporal culposa.A mudança da lei vem 120 dias após o presidente Michel Temer sancionar o projeto de lei da deputada federal Keiko Ota.

Pela lei, pode ser considerado homicídio culposo no trânsito quando o motorista embriagado causa acidente sem a intenção de matar. A pena para o condutor passa de 2 a 4 anos para 5 a 8 anos de reclusão. No caso da lesão corporal culposa grave ou gravíssima, a pena passa de seis meses a 2 anos para 2 e 5 anos. É classificada como lesão corporal culposa grave quando o acidente resulta em aborto, dano físico permanente, ferimento com amputação de membro ou deixa a vítima paraplégica ou tetraplégica.

Segundo o delegado da Polícia Civil Jairo Garcia Pereira, como nos dois casos as penas são superior a quatro anos, acaba com a possibilidade de concessão de liberdade para o motorista mediante o pagamento de fiança, estabelecida no momento do flagrante.

“O que a lei propõe é o endurecimento das punições como forma de redução da violência no trânsito. O principal objetivo é acabar com a impunidade causada por uma pessoa que sabia ser proibido dirigir embriagado e, mesmo assim, pegou o veículo e como resultado causou lesão permanente ou até a morte de uma ou mais pessoas”, comenta o delegado.

Para o capitão da Polícia Militar Fabiano Crestani, a nova lei vai servir para desencorajar quem bebe a pegar o volante. “Apesar de operações semanais serem realizadas com foco na prevenção de condutores embriagados, vários casos de alcoolemia ainda são registrados, o que mostra que além da prevenção, a repressão e o endurecimento da legislação atual se fazem necessários,” comenta o capitão. Durante as operações de fiscalização, 10% dos motoristas são flagrados com algum índice de alcoolemia.

Com a aplicação da lei, os processos envolvendo motoristas embriagados acusados de lesão grave ou morte vão ter tramitação prioritária, o que significa que os julgamentos terão agendamento mais rápido.

Prisão sem acidente

Motoristas flagrados dirigindo sob efeito de álcool são multados em R$ 2.934,70 e têm a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) suspensa por 12 meses. Se recusar a fazer o teste, o motorista também é enquadrado e leva punição igual.

Há ainda a possibilidade de o condutor ser preso mesmo se não causar nenhum acidente. Caso seja flagrado com índice de álcool acima 0,34 miligramas de álcool por litro de ar expelido no teste do bafômetro ou ter a embriaguez constatada por exame clínico, o motorista responde a processo criminal e pode pegar de seis meses a três anos de prisão, com base na Lei Seca.

No ano passado, em média, sete motoristas foram multados por dia por embriaguez ao volante nas rodovias de Rio Preto e região. Para coibir os casos, as polícias rodoviárias Estadual e Federal têm feito blitze, principalmente em períodos de feriados prolongados.



(Marco Antônio dos Santos – Diário da Região)

Deixe seu comentário:

Curta no Facebook

Últimos eventos